segunda-feira, 30 de dezembro de 2013

MUDAR É PRECISO.

Aprendemos que nosso cérebro precisa de desafios, de mudanças em nosso cotidiano, mudanças que o façam trabalhar, que o tirem do lugar comum; detalhes bobos como mudar o caminho de casa para o trabalho, ou o lugar de se sentar, dormir nos pés da cama, experimentar novos temperos, modelos, cores ou mudar o corte do cabelo; o importante é viver a sensação da mudança, a constante adaptação a algo novo, diferente, por menor que possa parecer. Tentar ver as coisas por mais de um ângulo, sorrir mais...
É bom, vez ou outra, andar com os pés descalços, caminhar de trás pra frente, cantar uma música que nunca gostou...
Há inúmeras formas de inventar, trocar, descobrir e aprender. Há muitas formas de viver!

quinta-feira, 26 de dezembro de 2013

NOS SEUS EMBALOS.

NOS SEUS EMBALOS, ROBERTO!

 Ele não faz só a própria história. Faz também a de muitos de nós. Esteve comigo em muitas das emoções que vivi, acho que sabia quando me apaixonei pelo namoradinho de uma amiga minha, chorou comigo quando eu tinha tanto pra falar, mas com palavras não soube dizer. Parecia entender minha dor quando compôs pra mim, mulher de quarenta. Cantou, solidário, quando cometi o maior dos meus enganos, esteve nos detalhes tão pequenos, aqueles que não nos deixam esquecer. É o cara que parece adivinhar meus sonhos, meus desejos, minha saudade. Em seus embalos vivi muito da minha história. Hoje me faz lembrar, cantar, chorar, sentir, viver tudo outra vez...
 

quarta-feira, 20 de novembro de 2013

A DOR DO HOMEM milton nascimento

Mas como pode um homem
escravizar outro homem?
O homem negro não é melhor
que o homem branco, nem pior.
A pele branca não é pior
que a vermelha, nem melhor.
A pele branca, negra, vermelha, amarela,
é apenas a roupa que veste um homem:
animal nascido do amor,
criado pra pensar,
sonhar
e fazer outros homens
com amor.

segunda-feira, 18 de novembro de 2013

O TEMPO do poeta carlos drummond de andrade


Quem teve a ideia de cortar o tempo em fatias,
a que se deu o nome de ano,
foi um indivíduo genial.
Industrializou a esperança,
fazendo-a funcionar no limite da exaustão.
Doze meses dão para qualquer ser humano
se cansar e entregar os pontos.
Aí entra o milagre da renovação
e tudo começa outra vez, com outro número
e outra vontade de acreditar
que daqui pra frente
vai ser diferente.

quarta-feira, 13 de novembro de 2013

ACRÓSTICO 3

S entimento quente.
A perto no peito da gente.
U m suspiro carente,
D oente.
A usência presente,
D iferente,
E nvolvente.

terça-feira, 22 de outubro de 2013

QUAL É O GOSTO?

Bicho gosta de floresta.
Franja gosta de testa.
Troco gosta do que resta.
A Fernanda, de festa.

Samba gosta de pandeiro.
Carnaval gosta de fevereiro.
Jardim gosta de jardineiro.
O Carlos, de brigadeiro.

Abelha gosta de mel.
Pipa gosta de céu.
Dedo gosta de anel.
O Menon, de pastel.

Palhaço gosta de risada.
Bruxa gosta de ser malvada.
Conto gosta de fada.
A Carolina, de goiabada.

Pé gosta de futebol.
Vara gosta de anzol.
Cama gosta de lençol.
A Márcia, de tomar sol.

domingo, 29 de setembro de 2013

TANTAS CORAGENS

Tem gente que gosta
de andar no escuro,
sentindo o vento da noite
com seu silêncio profundo.

Tem gente que nem liga pros bichos,
pega o chinelo, nem grita
e já vai esmigalhando
barata, rato, cobra, lagartixa.

Tem gente que se basta,
por isso nunca está só,
esquece o medo, seu triunfo
é começar sempre de novo.

domingo, 15 de setembro de 2013

PENSAMENTO

São lembranças, são amores.
São viagens, dissabores.
É querência de gente,
É ausência de contente.

Meu dia prossegue lento,
em total desalento.
Saudade!
Solidão!
Problemas da idade?
Não, do coração!

sábado, 7 de setembro de 2013

TROVINHAS POPULARES

Se eu fosse podre de rico,
Não seria boiadeiro.
Morava em casa alugada
Lá no Rio de Janeiro.

Pescador levanta a vela,
Joga a rede com cuidado.
O peixe está te esperando
Nas águas do mar salgado.

Lá em cima daquele morro
Tem um pé de abricó.
Quem quiser casar comigo
Vá pedir pra minha avó.

Açucena dentro d'água
Atura quarenta dias.
Meus olhos fora dos teus
Não aturam nem um dia.

O sol vê cair a chuva,
Escondido atrás da serra.
Ele sabe que, sem chuva,
Não cresce a planta na terra.

sábado, 24 de agosto de 2013

QUADRINHAS

Mocinha de blusa branca
Com lenço da mesma cor
Mocinha diga a seu pai
Que eu quero ser seu amor.

Tirei meu anel do dedo
Botei na palma da mão
Se eu contigo não casar
A outro não dou a mão.

sábado, 10 de agosto de 2013

PAPAIS

Meu beijo a todos os papais que fazem parte da vida de seus filhos. Um especial a você, Carlos, o pai que todo filho merece; outro ao tio Tu, por ser o paizão das minhas filhas. Claro que outro ao Julinho, pai das minhas filhas.


domingo, 4 de agosto de 2013

SERÁ QUE EXISTE?



Futebol sem chuteira?
Fogueira sem madeira?
Balada sem zueira?
Piada sem besteira?
Saudade sem choradeira?
Convento sem freira?
Meia sem inteira?
Namoro sem gemedeira?

sábado, 13 de julho de 2013

OLHAR

A arte de olhar. Olhar atento, disperso, triste, perdido. Olhar emocionado, apaixonado. Olhar pidão. Olhar que entrega, que divaga, que despe, que gela. Olhar maldoso, invejoso, olho gordo. Olhar que amedronta, olho de gato. Olhar para teu semelhante, ver o outro, enxergar. Olhar nos olhos pra ver o que você diz. Olhar pra prova do lado. A arte de olhar. Olhar que reprova, que corrige, que nega. Olhar que abençoa. Esse seu olhar, quando encontra o meu. São tantas formas de olhar! Olhar que derruba, olho por olho. Que vontade de merecer um cantinho do seu olhar!

terça-feira, 25 de junho de 2013

A FÁBULA DO PORCO-ESPINHO.


Durante a era glacial muitos animais morriam por causa do frio.
Os porcos-espinhos, percebendo a situação, resolveram se juntar em grupo, assim se agasalhavam e podiam se proteger mutuamente. Mas os espinhos de cada um feriam os companheiros mais próximos, justamente os que ofereciam mais calor. Por isso decidiram afastar-se uns dos outros e voltaram a morrer congelados.
Então precisavam fazer uma escolha: ou desapareciam da Terra ou aceitavam os espinhos dos companheiros.
Com sabedoria, decidiram voltar a ficar juntos. Aprenderam assim a conviver com as pequenas feridas que a relação com uma pessoa muito próxima podia causar, já que o mais importante era o calor do outro.
E assim sobreviveram.

sexta-feira, 24 de maio de 2013

UMA COISA PUXA OUTRA.

Sem o braço do caboclo
não existe produção,
não tem soja, não tem trigo,
nem arroz e nem feijão.
Sem auxílio da lavoura
não vai nada pro fogão.
Uma coisa puxa outra,
uma mão lava outra mão.
Que seria da cidade
sem ajuda do sertão?

domingo, 12 de maio de 2013

CADÊ MINHA MÃE?

Cadê minha mãe?
Tá descansando, conversando, brigando pelos preços, pelos filhos, cozinhando, tá cantando, tá amando, trabalhando no jardim, na escola, em casa, nas outras casas..

Cadê minha mãe?
Tá te procurando, procurando emprego, sustentando a família, tá orando, passeando, falando com o pai, devagar, com pressa, chorando, sorrindo, olhando o mundo.

Cadê minha mãe?
Tá crescendo, tá correndo, tá aprendendo, tá envelhecendo, tá sofrendo, tá pensando, tá curtindo, tá vivendo, tá lembrando.

Cadê minha mãe?
Me cuidando, me beijando, me abraçando
em qualquer lugar que meu desejo chegar.

segunda-feira, 29 de abril de 2013

RECEITA DE FAMÍLIA

Essa receita é de família, mas originalmente é da família de uma amiga dos tempos de Brasilia, do nosso time de vôlei. Ela sempre nos recebia em sua casa depois dos jogos com lanches e cafés deliciosos. Esse doce maravilhoso era o meu preferido. Fiz tantas vezes em casa que também passou a ser da minha família. Minha irmã adora e vocês vão gostar também.

Por que será que permitimos que a vida afaste de nós pessoas que foram tão queridas? Saudade, Idalina!

DELÍCIA DE BANANAS.


Ingredientes: uma lata de leite condensado, uma lata de creme de leite, duas colheres de maisena, 4 xícaras de açúcar, 3 ovos, uma dúzia de bananas nanicas maduras e meio litro de leite.

Modo de fazer: Em uma panela misture o leite, as gemas, o leite condensado e a maisena, leve ao fogo baixo, mexendo sempre, até engrossar. Coloque em um pirex.
Para a segunda camada faça uma calda queimada com 3 xícaras de açúcar, coloque as bananas cortadas em rodelas para amolecer um pouco. O cheiro é delicioso!
Em seguida, misture o creme de leite sem o soro com 3 colheres de açúcar e coloque sobre as bananas.
Para a última camada faça um suspiro: bata as 3 claras em neve, coloque 6 colheres de açúcar bem cheias, continue batendo em batedeira até ficar bem firme.
Leve o doce ao forno quente por alguns minutos para dourar o suspiro. Deixe esfriar dentro do forno(para o suspiro não murchar), depois leve para gelar.
É de gemer!

quarta-feira, 6 de março de 2013

SEM PARAR.

O mundo todo trabalha:
a ave leva a semente,
a minhoca cava o túnel,
a abelha faz o mel,
o bicho tece a seda,
a aranha faz a teia.
A Terra gira,
o rio corre para o mar,
o sol tudo clareia e esquenta.
O mundo não para,
nem pra nos ver chorar,
menos ainda pra nos consolar.
Independente da nossa dor
o mundo todo trabalha.

quarta-feira, 27 de fevereiro de 2013

REFLEXÃO

Desde os tempos mais remotos, estivemos em busca de paragens, de respostas, de formas de expressar nossas emoções. E essa busca tem permitido os grandes encontros, as grandes descobertas, inclusive de nós mesmos.

quarta-feira, 30 de janeiro de 2013

FRASES



Não sei se a vida é curta ou longa demais para nós. Só sei que nada do que vivemos tem sentido se não tocarmos o coração das pessoas. cora coralina.

segunda-feira, 28 de janeiro de 2013

ANINHA E SUAS PEDRAS cora coralina

Não te deixes destruir...
Ajuntando novas pedras
E construindo novos poemas.

Recria tua vida, sempre, sempre.
Remove pedras e planta roseiras e faz doce. Recomeça.

Faz de tua vida mesquinha
um poema.
E viverás no coração dos jovens
E na memória das gerações que hão de vir

Esta fome é para uso de todos os sedentos.
Toma a tua parte.
Vem a estas páginas
e não entraves seu uso
aos que têm sede.