sábado, 13 de maio de 2017

MÃE carlos drummond de andrade

Por que Deus permite
que as mães vão-se embora?
Mãe não tem limite,
é tempo sem hora,
luz que não apaga
quando sopra o vento
e chuva desaba,
veludo escondido
na pele enrugada,
água pura, ar puro,
puro pensamento.
Morrer acontece
com o que é breve e passa
sem deixar vestígio.
Mãe, na sua graça,
é eternidade.
Por que Deus se lembra
_ mistério profundo _
de tirá-la um dia?
Fosse eu o Rei do Mundo,
baixava uma lei:
Mãe não morre nunca,
mãe ficará para sempre
junto de seu filho
e ele, velho, embora,
será pequenino
feito grão de milho.

6 comentários:

Anônimo disse...

e que saudade desse sorriso...
fe

Blog do Menon disse...

AIAI

cida disse...

Linda foto da Bia. lá em casa, nos guardados da minha mãe, tem uma igual. linda mãe lindos filhos.

Anamaria disse...

Eu me lembro dessa foto na casa da vó. Que linda tia Bia! Saudades.

Sr do Vale disse...

Vim buscar o poema de Drummond, e achei-o junto a foto de uma linda gata.

parabéns

carlos Henrique disse...

Doce com um gatinho mais brava como uma loba para defender os seus